01 julho 2017

5 motivos para assistir: Dear white people


Afim de maratonar uma série que irá contribuir para o seu intelectual e te fazer dar boas risadas nesse fim de semana? Então dê uma chance para Dear White People, uma série produzida pela Netflix.Listei abaixo, 5 motivos para dar uma chance a essa série que só tem uma temporada, mas que foi renovada para uma segunda, confiram!

Imagem de gif and dear white people
1:Militantes jovens e negros
Falar sobre racismo, segregação racial e empoderamento é o foco principal da série. Dear white people nos trás a história de jovens entre 17 a 20 anos, que são militantes do movimento negro, na high school Ivy League, onde a maioria dos adolescentes são brancos. Tudo começa quando estes alunos dão uma festa de hallowen, com a temática do black face, satirizando o movimento negro da escola. Diante deste acontecimento, esses alunos se opõem a essa festa. Então,ao chegarem na festa, eles tomam a frente da situação, mostrando que aqueles alunos brancos, não podem transformar a negritude numa piada.A partir desse momento, eles se tornam mais fortes para lutarem por seus direitos que eram quase extintos na escola, onde o racismo é visivel. 
Resultado de imagem para dear white people
2: Aborda diversos assuntos sobre o universo dos adolescentes:
Além da série tratar sobre a segregação racial, ela também mostra diversas situações do cotidiano adolescente. Ela aborda o relacionamento da Sam, a líder do grupo, com um rapaz branco. Duas realidades completamente diferentes, onde deixa a dúvida: Será que o amor prevalecerá? 
Temos também a presença do jovem Lionel, um estudante de jornalismo timido, que se descobre gay e apaixonado por seu parceiro de quarto, o jovem, sedutor e representante do grêmio estudantil, Troy Fairbancks.Troy é o típico babaca da escola, tem casos com várias garotas, está sempre abaixo do seu pai, o reitor da escola, e se vê perdido muitas vezes em sua vida, sem saber para qual direção seguir. 
Outro personagem lider do movimento na escola é o Reggie, sempre se questionando o previlegio da classe dominadora, apaixonado pela Sam, e tem um epísódio em que a série dá um tapa na cara da sociedade retratando o que o Reggie viveu, que é a realidade de muitos jovens negros, nos dias de hoje. 
Joelle, amiga da Sam, retrata bem o fato do amor não correspondido que ela sente pelo Reggie, mas que nunca contou a ninguém. Sofrer por crush né amores, quem nunca?  
Resultado de imagem para dear white people
3:O empoderamento nos cabelos e no estilo dos personagens
Preciso muito falar sobre o estilo dos personagens e os cabelos crespos e cacheados que dominam toda a série. A Sam tem um estilo único, mais street style, acompanhado também por sua amiga, a Joelle. Coco é mais certinha e parece uma boneca com seu estilo. Principalmente as meninas, mostram a fase de como elas aceitaram seus cabelos da forma que ele é, fazendo usos de tranças, turbantes, até mesmo de perucas e por mim, mostrando o poder de seus cabelos por aí. Aliás, dá para se inspirar de diversas maneiras com os personagens e seus estilos na série.

Resultado de imagem para dear white people
4:Tem uma trilha sonora ótima e agitada
Não vivo sem música e isso vocês já devem saber. Dear white people conta com uma trilha sonora delicinha e agitada, te deixando com vontade de conhecer cada vez mais a música negra e americana (que não se trata só dos rappers e ostentação)
5: É uma série curtinha!
Assisti essa série em apenas um dia e estou em depressão pós-série. Ela só tem uma tempora de 10 episódios, cada episódio tem certa de 20 a 30 minutos, ótima para maratonar sozinha ou com o mozão, e aprender um pouquinho mais das diversas facetas que temos no movimento negro! ;)
Mas me digam,já conheciam a série? Já assistiam, me digam nos comentários! Beijos.

30 junho 2017

Estamos presos dentro de nós.

São 10:00 da manhã de uma sexta-feira qualquer e me sinto completamente tediosa e sem vontade de fazer com que esse dia seja bom. É horrível essa experiência, é horrível se sentir assim, é horrível ter uma vida inteira pela frente e não conseguir pensar no que fazer com ela.
Sonhos parecem estar apenas dentro da minha cabeça e a outra metade deles preso dentro do meu travesseiro. A sensação de se sentir impotente e não saber o que fazer com a própria vida é lamentavel, o pior de tudo, é que outros jovens assim como eu, se sentem da mesma forma.
Olhar para uma pessoa e dizer a ela o quanto é especial e tentar contribuir para que a vida dela melhore em pequenas fases, faz-nos sentir importantes. Mas e quando é conosco? Quando nem palavras bonitas e frases feitas conseguem fazer com que saimos de dentro da nossa bolha e sinta vontade de ir atrás de outras coisas?
A rotina me cansa. E como cansa. Fazer mais de um mês a mesma coisa me faz sentir presa dentro de uma coisa que eu não queria estar. Nós, jovens, queremos muito, almejamos tudo e nos cansamos facilmente quando conseguimos. Queremos sempre estar inventando e inovando,mas existem impecilhos para que isso se torne real, e nos mantemos presos, idealizando, sonhando, ao invés de fazer com que apenas uma atitude, nosso dia seja bom.
É como naquela música do Charlie Brown Jr: "alguém te perguntou como é que foi seu dia? Uma noticia boa, uma palavra amiga, isso faz falta no dia-a-dia". Então tentemos, aos poucos que conseguimos, ser o ombro amigo, dar uma noticia boa, quem sabe até fazer uma pessoa dar um sorriso ou dois? Pequenos gestos mudam a vida de alguém, e também irá mudar a sua. Ser bondoso e criar coragem para viver a sua vida da maneira como você deseja, é o ato mais revolucionário que você fará hoje.

© Versos de Inverno - 2017. Todos os direitos reservados.
Criado por: Tauani Cruz Tauani Cruz.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo