24 maio 2015

Amar o próprio corpo acima de tudo, SIM!


Cresci a minha vida toda com as seguintes opiniões: "Nossa vc é fortinha né, precisa emagrecer" "Nossa tá gordinha ela né, tem que cuidar se não quando crescer vai ter problemas de saúde". Quantas e quantas vezes minha mãe não ouviu coisas assim? Muitas e muitas. Sou mais fortinha que todas as minhas amigas desde que me conheço por gente, na escola sempre brincadeiras desagradáveis sobre o meu corpo e quando chegava em casa só chorava no banheiro, e chorava no outro dia também, para não ir na escola e ter que ouvir o que as crianças da minha idade diziam para mim. Foi uma época difícil? Sim e muito, porém acabou... até eu chegar no ensino fundamental I, continuou então as mesmas brincadeiras, tinha vergonha de mim, do meu corpo e do meu cabelo, de ser o patinho feio da sala, mesmo com a minha mãe dizendo "Filha, você é linda" só que assim querida mãe, eu sabia que não era. Piorou então quando eu tive que usar óculos, Deus do céu, como eu fui chamada de 4 olhos, ceguinha... whatever, o que vocês já devem saber. Odiava profundamente a escola, e o pior, odiava a mim mesma. Por que? Pelo o que os outros falavam de mim, não por mim mesma, não por eu me conhecer, como as pessoas dizem: pelo o que eu fui rotulada.
A história para por ai? Não, sim parece aquelas histórias de meninas que sofriam bullying e deram a volta por cima e tudo mais, porém continuem lendo...
Se eu na infância já tive todo esse "ódio" comigo mesma, imaginem na pré adolescência, a etapa mais bosta na vida de uma criança/adolescente de 11 anos, desde sempre fui mais desenvolvida que as outras meninas, se é que me entendem, dai então numa mistura louca de hormônios e tudo mais, eu era mais cabeça e já tinha em mente o que eu queria para a minha vida, e o primeiro passo dela era ser reconhecida pela minha capacidade intelectual, sim, era a nerd da sala, mas mesmo assim conversava com todos, da sala e as brincadeiras como estavam? Continuavam, continuavam, continuavam... Para me libertar disso, criei então o blog, não o versos, mas um outro que já está excluído há alguns anos... Aquele blog era meu refugio, escrevi tudo o que sentia e ao final... a internet acabou virando meu refúgio, época de tumblr, Youtube quando os canais super famosos hoje já estavam crescendo... E eu? Também estava crescendo, comecei a me arrumar, parei de me importar com opiniões, me amei e me amo até hoje.
Estou no ensino médio, e as brincadeiras? Acabaram! Troquei de escola, mudei o óculos que hoje eu amo tanto, mudei o cabelo e  o meu corpo? Continua o mesmo, porém o amo como ele é, e sou feliz com ele assim, ainda existem opiniões desnecessárias? Várias, mas hoje sei me importar com opinião que agrega valor para mim. 
Como eu comecei a me amar? Não foi fácil... primeiro desenvolvi um começo de bulimia... Época dificil, other story, anyawy... Minhas inspirações foram e são, até hoje as modelos plus size, falo delas em outro post...
Mas como o titulo diz, Amar o próprio corpo acima de tudo sim! Se aceite como é, não dói e eu recomendo a todos. Ninguém pode intervir sobre o que você é, e nem te dizer como você deve ser, cada um tem seu jeito e seu estilo, se você se gosta assim, pra que agradar os outros? Mude por ninguém, e não sinta vergonha do que você foi no passado, foi tudo uma lição para você se tornar a pessoa que é hoje.

8 comentários:

  1. Isso mesmo! Não se importe com o que os outros dizem! Eu vivi a mesma coisa, só que ao contrário. As pessoas sempre me criticavam por eu ser magra demais! Olivia Palito, Esqueleto humano, Desnutrida e etc...
    E tudo piorou quando eu coloquei aparelho! Hoje sou muito grata pelo meu corpo, e não estou nem aí para o que os outros pensam... Até porque o corpo é meu, e isso não diz respeito a eles. Se eu sou magra ou não, o problema é meu! Enfim... Fiz um texto aqui kk Estamos em uma sociedade, em que temos que ser perfeitas! Nem magra nem gorda! Onde a aparência interior não vale de nada. O que vale é você ter um bundão, um coxão, barriga sarada, e peitos enormes! ... E o melhor que podemos fazer com quem nos crítica, é desprezar. Simplesmente despreze, não dê atenção! Pois o desprezo, é o pior dos sentimentos!
    Amei seu post, e continue assim, ignore ;)

    Apaixonada por Sonhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa imagino, do mesmo modo que nós gordinhas sofremos isso, as meninas magrinhas também sofrem. Como você mesma disse, a sociedade quer bundão, peitão, coxão, mas isso só as malhadonas lá conseguem e a maioria não é de forma saudável! Como aplicação de "bombas" dentro outros... Mas o importante é que estamos aqui e agora e felizes com nosso corpo haha! Me amo do jeito que sou e nada e nem ninguém me faz mudar isso.
      Obrigada linda, tudo de bom pra você! :3

      Excluir
  2. Como a Anne Abreu, eu sofri por ser magra. "Magra, alta e estranha". E por muito tempo os comentários das minhas "amigas" perpetuaram essa falsa verdade na minha vida. Eu me detestava. Detestava não ter me desenvolvido como minhas amigas. Até que, um dia, eu me cansei. Resolvi mudar e começar a me valorizar. Comecei a usar maquiagem, a me cuidar. Hoje sou feliz e, apesar de ter algumas espinhas, sei que sou uma pessoa bonita que tem espinhas, entende? Descobri que tenho altura e corpo para ser modelo, acredita? haha Mas o que é ser modelo? Ninguém tem que ser modelo para ninguém, todos somos únicos! :)
    Espero que, a cada dia, você se ame mais, assim como eu. Porque a beleza mora dentro de nós, mas ela só vem à tona se nós permitirmos!

    Parabéns pela maturidade e pela forma cativante de escrever! Adorei e estou seguindo!
    Seja muito feliz, Tauani!

    http://imperfeitaselindas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei o seu comentário! <3 Não devemos ser modelo para ninguém, até porque somos únicos sendo da nossa maneira, fico muito feliz que tenha se aceitado como é, e você é uma moça muito linda Alice! <3 Desejo que você se ame cada dia mais, pois somos perfeitos da nossa maneira e sempre seremos assim.

      Excluir
  3. Se respeitar do jeito que é, é o ponto de partida de nunca se importar com a opinião alheia. Precisamos nos amar do jeito que Deus nos fez, e aprender a lidar com nossos defeitos, e valorizar as nossas qualidades.

    Com Carinho,
    Fernanda Macena.
    Ide e Pregaii! | Ilumine-se Blog
    Fan Page Ide e Pregaii! | Fan Page Ilumine-se Blog
    Instagram Fernanda Macena!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus nos fez perfeitos, porém as pessoas/ sociedade, não conseguem aceitar a perfeição que ele nos fez e cada dia mais colocam em suas mentes um padrão de beleza, que ninguém consegue alcançar... obrigada pelo lindo comentário <3

      Excluir
  4. Está tocando Firework na minha playlist aleatória. Essa música é hino da aceitação.
    Eu realmente amo postagens desse tipo, só li o primeiro paragrafo ainda. Mas entendi o que se passa desde o título.
    Eu sempre fui uma criança que gostava de ir a escola, eu gostava de aprender, e eu odiava faltar de aula. Mas coisas como essa, me deixavam tão mal, que com o tempo, eu não queria mais sair de casa.
    Eu era gorda, usava óculos, era péssima em E.F., e uma das melhores da turma. Eu era o perfeito clichê de filme americano, prato perfeito para o bullying,
    Assim como você, eu não gostava mais tanto da escola, e não gostava tanto de mim. Na verdade até hoje eu tenho dificuldade me olhar no espelho e ver o que agora, as pessoas falam, que eu sou bonita.
    Beleza e Coelho se tornaram opostos como elétrons e prótons, impossível de serem misturados como água e óleo.
    Diferente de você, a época da adolescência foi a minha salvação. A partir dos onze anos eu comecei a emagrecer, bem devagar, acho que com treze não me chamavam mais de baleia. Em compensação, eu também cresci um pouco mais cedo do que as minhas colegas, eu não tenho seios tem bunda, mas a minha estrutura era claramente mais desenvolvida.
    Então me chamavam de girafa.
    Fisicamente, eu não sofro tanto com ofensas. As pessoas passaram a me zoar pelo o que eu sou, ou o que elas acham que eu sou. "Estranha".
    Eu me visto de forma completamente comum, mas sabe-se lá como, acham que eu sou estranha.
    Eu tentei mudar. parei de comer para emagrecer, tentei me vestir como s garotas se vestiam, tentei ouvir o que ouviam. Mas aquilo não era eu.
    O último caso pesado que sofri foi no ano passado, eu fiquei muito mal com o que aconteceu, e até hoje eu não consigo olhar direito na cara dos caras.
    Eu ainda me importo com a opinião dos outros mais do que devia. Ainda não consigo me ver bonita, ou algo do tipo.
    Mas, eu já percebi, e venho tentando aplicar na minha vida que, que jamais conseguirei fazer com que as pessoas gostem de mim, mas eu posso fazer com que EU goste de mim, e amor próprio pode servir de proteção.

    { rabbits&wolfs, thisismydemoninside, reckless }

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou digitando com o pé porque com as mãos estou aplaudindo. Gostei da sua história e me identifiquei com ela, eu também era uma das melhores da turma e tudo mais... como você disse o prato perfeito para o bullying, mas o bom é que tudo isso já passou e hoje nós já sabemos lidar com isso e isso nos deixou mais fortes. e como na última frase vc disse, amor próprio é nossa proteção.

      Excluir

© Versos de Inverno - 2017. Todos os direitos reservados.
Criado por: Tauani Cruz Tauani Cruz.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo